Pesquisar este blog

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Untitled 5

Confesso, meus dias têm sido todos iguais: desde a primeira xícara de café adocicado ao pôr-do-sol tão indesejado. Talvez Stephen Meyer tenha acertado ao dizer que por mais perfeito que um dia seja, sempre haverá um crepúsculo, um fim. Sempre haverá a hora de dizer adeus... Mas, talvez ela tenha sido infeliz no adeus, talvez todos nós sejamos, eu seja. Ou talvez, dizer adeus provavelmente não seja o mais árduo, existem coisas as quais podem destruir o seu coração em dimensões tão esplendorosas que chega a ser difícil acreditar em algo bom. Eu, que sempre fiz de minhas palavras o meu próprio refúgio, talvez tenha aprendido que nem mesmo ambas fornecerão proteção eternamente. Talvez as cores vivas tenham adquirido o ar cálido, talvez a melodia tenha se perdido entre as notas, talvez sorrisos tenham se dissipado através do silêncio. São tantas perguntas que levam a um só acaso, a um só mundo... então, por que? Dizem que só no escuro é possível enxergar estrelas, dizem que só no escuro vaga-lumes brincam, dizem que todo escuro possui um significado e uma luz. Então espero que minha escuridão reluza, espero que se transforme em fadas...

3 comentários:

  1. Se ficar com medo...pode deixar que eu sento com você no escuro! (L)

    ResponderExcluir
  2. Lindo texto Rapha...

    eu que já acompanhei algumas coisas suas,
    vejo como vc está progredindo.
    Pow,belas palvras,texto sucinto e super
    bem trabalhado...muito bacana mesmo.
    Vou te dizer,a escuridão faz parte da vida
    e através dela que descobrimos o inusitado,
    refletimos e é assim que segue...
    A evolução dos tempos.

    Sorte,sucesso e good vibrations pra ti querida.Beijo na alma

    ResponderExcluir
  3. Que lindo o texto namoooo! :) Saudadeee gata! ;*

    ResponderExcluir